Como abrir a porta da sua casa usando a tecnologia RFID

31 jan

Já pensou em transformar a porta da sua casa estilo daqueles filmes futuristas? Já imaginou utilizar o cartão que você usa para pegar o metrô ou ônibus, o famoso VEM, como chave da sua casa? Resumindo, lendo esse artigo você vai conseguir abrir a porta da sua residência com qualquer objeto que tenha tecnologia RFID. Aqui eu vou te explicar direitinho os materiais você deve usar e, sobretudo, o que deve fazer para entrar na sua casa de um jeito estiloso e inovador.

1) O que é RFID?

Primeiramente, é necessário que você tenha entendimento do RFID e, sinceramente, é bem simples, não se assuste com as siglas. RFID significa Radio Frequency Identification, ou seja, é uma tecnologia que se baseia em identificação por rádio frequência. Quer exemplos de RFID? Os crachás e cards que você usa em empresariais e prédios para passar pela roleta, o cartão do ônibus, o VEM (Vale Eletrônico Metropolitano), que muitos usam todo santo dia, o cartão que você usa para sair do estacionamento do shopping, enfim, tudo isso contém RFID.

Os crachás de entrada e saída dos estabelecimentos são caracterizados como objetos que contém a tecnologia RFID.

Curiosamente falando, essa tecnologia surgiu na Segunda Guerra Mundial, nos sistemas de radares utilizados por várias nações, como Alemanha, Japão e EUA. Estes radares conseguiam captar e notificar a aproximação de aviões, mesmo distantes, facilitando a preparação das defesas contra ataques inimigos. Todavia, não era possível identificar aviões inimigos dos amigos.

O físico escocês Sir Robert Alexander Watson-Watt foi capaz de solucionar esse problema de identificação e, no ano de 1937, desenvolveu um sistema para identificar aeronaves aliadas no radar. Assim, foram implantados transmissores em aviões ingleses que davam respostas diferentes ao radar, sinalizando-os como amigos. Dessa forma, estava implantado o primeiríssimo sistema de identificação por rádio frequência.

Nesse exato momento, eu tenho certeza que você deve estar se perguntando: tá, mas como isso realmente funciona? Basicamente, o RFID conta com um sistema eletrônico que consegue monitorar as tags aproximadas do módulo RFID e liberar somente aqueles as quais já estiverem determinadas e autorizadas no código raiz de seu projeto. Outra coisa interessantíssima é que o RFID não usa absolutamente nenhum tipo de bateria pois a energia necessária para o seu funcionamento wireless, sem fio.

“RFID é uma tecnologia de coleta de dados que usa ondas de radiofrequência para transferir dados entre um leitor e uma tag para identificar, rastrear e localizar o item marcado” – Gideon Gartner, empreendedor e fundador da Gartner Group.

Em outras palavras, esse sistema de comunicação para transferência de dados do sistema RFID utiliza ondas de rádio, nas quais cada tag emite uma sequência numérica como um código exclusivo para cada cartão, crachá ou qual for o acessório que você deseja usar!

Interessante, não é? Quer saber mais sobre essa tecnologia? Conhecer suas vantagens e desvantagens? O motivo dele ser um sistema completamente seguro? Então, clique aqui para adquirir saber muito mais sobre o RFID, afinal conhecimento nunca é demais!

2) Teste prático

A partir desse vídeo prático, você pode ver que é utilizado um chaveiro e um cartão já cadastrados no sistema que liberam a respectiva fechadura elétrica. Sobretudo, ainda é possível observar que quando alguém tenta entrar com um cartão não cadastrado, consequentemente, o sistema não dá acesso.

Além disso, no momento em que o cartão autorizado fica próximo ao sistema RFID, o mesmo libera a corrente de energia do relé e libera a fechadura elétrica, que por mais que seja um equipamento de corrente contínua, necessita de uma relé já que sua alimentação é dada através de 12V e 800mA.

A princípio, esse vídeo foi disponibilizado pela Usinainfo, que possui um blog com várias informações interessante sobre projetos envolvendo Arduino, Raspberry Pi, automação residencial e eletrônica em geral.

3) Produtos utilizados

1) Arduino Uno + Cabo USB AB;

2) Kit Módulo Leitor RFID MFRC522 Mifare;

3) Display LCD 16×2;

4) Potenciômetro;

5) Fechadura Eletrônica; 

6) Fonte de Alimentação 12V 1A;

7) 1 Modelo Relé. 

É importante ressaltar que estamos utilizando o Arduino Uno visto que as conexões do RFID mudam de Arduino para Arduino.

O módulo leitor RFID-RC522 é uma excelente escolha para você usar nesse projeto.

Aliás, recomendamos a loja Filipeflop para você comprar seu Kit MFRC522 Leitor RFID, que acompanha um módulo leitor RFID-RC522, cartão RFID 13,56Mhz, tag chaveiro RFID 13,56Mhz, barra de pinos 1×8 lateral e barra de pinos 1×8 frontal.

4) Pinagem leitor RFID

O leitor RFID possui 8 pinos que seguem a seguinte sequência de ligação. É necessário que você preste bastante atenção à tensão de alimentação, que neste caso é de 3.3 volts.

Segue a sequência de ligação:

1) Pino SDA ligado na porta 10 do Arduino;

2) Pino SCK ligado na porta 13 do Arduino;

3) Pino MOSI ligado na porta 11 do Arduino;

4) Pino MISO ligado na porta 12 do Arduino;

5) Pino NC – Não conectado;

6) Pino GND  ligado no pino GND do Arduino;

7) Pino RST ligado na porta 9 do Arduino;

8) Pino 3.3 – ligado ao pino 3.3 V do Arduino.

Aliás, se você é um fã de criações tecnológicas como essa, dá uma olhada nesse nosso artigo sobre como fazer seu próprio console emulador!

5) Programando

Agora que você tem os produtos certos em mãos e efetuou a pinagem, chegou a hora de finalmente você programar! Portanto, é imprescindível que você baixe a biblioteca MFRC55 aqui. No momento em que o programa tiver sido baixado, descompacte o arquivo e mude o nome da pasta rfid-master para MFRC55, inserindo-a na pasta LIBRARIES da IDE do seu Arduino. Em relação ao código de funcionamento, indicamos essa página para você fazer o download.

Primeiramente, temos que trabalhar na identificação das tags. No código existe uma variável, no nosso caso, chamada de “int serNum[5];”, sendo ela responsável pela leitura das tags. A partir desse código, você deve inseri-lo no monitor serial, seja ele aceito ou não, no momento de aproximação do cartão ao nosso leitor.

Sabendo o código o qual seu cartão é cadastrado, altere o código existente em seu projeto junto a IDE do Arduino na parte responsável pela declaração dos códigos liberados para o acesso e selecione-o mais uma vez. Feito isso, o programa vai lhe dar as boas-vindas e você estará com a programação completa!

Agora que você programou tudo certinho para sua tag ser liberada, basta instalar, seja em seu quarto, casa, enfim, em qualquer local. Enfim, você finalmente estará apto a apresentar sua tecnologia que com certeza impressionará a todos.

Gostou da nossa explicação? Ficou com dúvida em algum ponto? Não deixe de falar aqui embaixo para te respondermos! Caso você tenha já feito esse projeto ou algo similar, comente como foi sua experiência.

Iago Nicolas

Logo do LinkedIn

Consultor na Idea

Estudante de engenharia eletrônica com foco em aprendizagem de máquinas, apaixonado por tecnologia e busca permitir o fácil acesso da mesma para todos.

Veja também:

  • 20 dez

    Como os Makers podem melhorar os resultados de sua empresa

    Continue lendo